"Defendendo a Independencia de Timor-Leste"

"Defendendo a Independencia de Timor-Leste"

segunda-feira, 13 de agosto de 2007

Comunicado de Imprensa - FRETILIN denuncia rumores e manifesta disponibilidade para participar em investigação conjunta sobre a violência

FRENTE REVOLUCIONÁRIA DO TIMOR-LESTE INDEPENDENTE
FRETILIN


Comunicado à Imprensa
12 de Agosto de 2007

FRETILIN denuncia rumores e manifesta disponibilidade para participar em investigação conjunta sobre a violência

A FRETILIN manifestou hoje a sua disponibilidade para participar numa investigação conjunta com funcionários das Nações Unidas sobre os relatos politicamente motivados relativos à violência em Timor-Leste, incluindo o ataque a uma caravana das Nações Unidas na passada sexta-feira, 10 de Agosto.

O Vice-Presidente da FRETILIN, Arsénio Bano, afirmou que o partido envidará todos os esforços para apoiar uma investigação conjunta com a Missão das Nações Unidas em Timor-Leste (UNMIT) com o objectivo de estabelecer os factos e prevenir a continuidade da violência.

“Condenamos todo e qualquer acto de violência e, mais uma vez, apelamos aos nossos apoiantes bem como aos de outros partidos para exercerem o seu direito legal de manifestação por meios pacíficos”, declarou Arsénio Bano.

Afirmou ainda que opositores da FRETILIN estão a disseminar rumores e boatos com o objectivo de enlamear a imagem da FRETILIN.

“Denunciamos em particular o rumor relatado pela comunicação social estrangeira de que membros da FRETILIN estão a distribuir armas com o objectivo de realizar uma insurreição armada. É inteiramente falso!

Foram disseminados rumores semelhantes no decurso do ano passado com o objectivo de subverter o governo da FRETILIN”.

Arsénio Bano afirmou que, aparentemente, o ataque perpetrado na passada sexta-feira contra veículos das Nações Unidas foi despoletado depois de a Polícia das Nações Unidas ter destruído panos e bandeiras de manifestantes pacíficos da FRETILIN.
“Apesar deste acto praticado pela Polícia das Nações Unidas ser de provocação extrema e ilegal, apelamos aos nossos apoiantes para absterem-se de qualquer reacção violenta”, afirmou Bano.
“Assiste-nos o direito legal de manifestação pacífica contra um governo ilegítimo que exclui o maior partido do país. Mantemos a nossa posição de que apenas um governo representativo de todos os partidos com assento parlamentar e chefiado por um primeiro-ministro independente poderá assegurar a estabilidade em Timor-Leste”.

Bano afirmou que a Polícia das Nações Unidas e as tropas estrangeiras que integram a Força Internacional de Estabilização estão a tomar uma posição bem mais rígida contra os apoiantes da FRETILIN do que a tomada contra os opositores da FRETILIN no período até à realização dos actos eleitorais.

“A UNPOL e a ISF limitaram-se a observar e nada fazer para por fim à perseguição violenta de apoiantes da FRETILIN em Ermera e noutros locais durante o ano transacto”, afirmou.

“Presentemente, a UNPOL e a ISF cercaram todos os campos de deslocados em Díli com o objectivo de impedir manifestações pacíficas contra o governo ilegítimo.

“O Presidente Ramos-Horta ameaçou despedir funcionários públicos que adiram a manifestações antigovernamentais apesar de o Presidente da República não deter qualquer poder constitucional que o permita fazer e apesar da inexistência de legislação que impeça um funcionário público de participar em acções de protestos quando realizadas para além do seu horário laboral”.

Arsénio Bano declarou que a FRETILIN está a realizar a sua própria investigação relativamente aos relatos divulgados pela comunicação social sobre a alegada violação de estudantes num convento na passada sexta-feira.

“Tudo leva a crer que foi perpetrado um acto de abuso em Baguia, no distrito de Baucau. Trata-se de um acto hediondo que condenamos veementemente. Foi um acto de cariz exclusivamente criminoso não estando relacionado de forma alguma com os problemas políticos existentes. O acto foi perpetrado por um jovem de 16 anos que outrora vivia no orfanato. Nenhuma relação existe com as acções da FRETILIN em Baguia. É um insulto reprovável e inadmissível afirmar que tal acto possa estar de uma qualquer forma relacionado com a FRETILIN”, declarou Arsénio Bano. É a repetição descarada da campanha de descrédito que no ano passado certos órgãos de informação lançaram contra a FRETILIN”, concluiu Arsénio Bano.

Contactos:

Arsénio Bano, Vice-Presidente e membro da Comissão Política Nacional da FRETILIN, Telefone (+670) 733 9416 e-mail: fretilin.media@gmail.com
José Teixeira, deputado da FRETILIN (+670) 733 5060.

1 comentário:

Margarida disse...

1 - No dia 11 a US/EFE pôr a correr pelo mundo um texto com o tìtulo “Grupo de Jovens Atacam Colégio Salesiano e Estrupam Mundo”, onde relatava que no dia 10 de Agosto “cerca de cem timorenss atacaram e dstruíram ontem à noite um convento-escola em Baucau violentando várias estudantes, entre elas uma menina de oito anos, informaram hoje fontes da instituição.
O superior da ordem dos Salesianos, Basílio Maria Ximenes, atribuiu o ataque a supostos militantes da Frente Revolucionária de Timor-Leste Independente (Fretilin), descontentes com a nomeação de Xanana Gusmão como primeiro-ministro. "Os jovens que atacaram o convento e a escola são militantes da Fretilin. O pessoal e estudantes reconheceram alguns dos sujeitos que violentaram as estudantes no convento", acusou o padre salesiano.
Ximenes explicou que os militantes da Fretilin, partido liderado pelo ex-primeiro-ministro Mari Alkatiri, consideram os sacerdotes e freiras da Igreja Católica como seus inimigos. "Condeno esta tragédia porque ocorreu no convento, um lugar sagrado, e entre as meninas há uma de apenas 8 anos", acrescentou. A Polícia de Baucau, cerca de 120 quilómetros a leste de Díli, confirmou à Efe o ataque ao convento-escola, e disse que abriu uma investigação para deter os suspeitos.”

2 - Horas depois, a Reuters retoma a mesma notícia com ligeiras variações onde a fonte (Basilio Maria Ximenes) é apresentada como “responsável pelo orfanato salesiano Don Bosco”, os perpetradores são “uma multidão” que “vandalizou e destruiu a escola primária daquele orfanato” e diz que “várias alunas foram abusadas sexualmente, incluindo uma menina de doze anos”.

3 – Em Portugal, tanto quanto me apercebi, estas notícias foram de imediato agarradas pelo jornal online Portugal Diário com o mesmo conteúdo da notícia da US/EFE mas citando como fonte a Rádio Vaticante (http://www.portugaldiario.iol.pt/noticia.php?id=842180&div_id=291), pela TSF e pelo Público Online.
Já no dia 12 as edições impressas do Público e do DN, atenuavam a informação (acrescentando que à Antena 1, a porta-voz da polícia das Nações Unidas, Kedma Mascarenhas, disse que se registaram apenas confrontos entre dois grupos rivais nas imediações do convento e que "não houve feridos entre as mulheres e as crianças"), mas durante praticamente todo o dia no Portugal Diário e no on-line do Público manteve-se exactamente o mesmo texto sem a rectificação da porta-voz da UnPol. Honra lhes seja feita não me apercebi de nenhum dos canais de TV nacionais tenham sequer mencionado tais “notícias”.

4 - Contudo, hoje, dia 13, logo pela manhã, deparei-me com uma peça na Euronews com todos os ingredientes – alastra a violência em TL, alegados seguidores da Fretilin destruíram casas e edifícios públicos em Díli e Baucau, mulheres e uma criança de 12 anos violadas em Baucau,a morte de uma menina em Viqueque, nem a ONU escapa ao clima de violência com o ataque à caravana, no domingo a Fretilin negou que estivesse a preparar um levantamento armado, etc, etc. etc. -. E esta peça está a passar todas as meias horas, intoxicando a Europa toda, pois que a Euronews é o canal televisivo patrocinado pelo Conselho Europeu. Não me espantaria que agora noutras TV's europeia – e não só! - repesquem esta salada-russa noticiosa.

5 - Há um velho ditado que muitas vezes tem sentido – quem os seus inimigos poupa, às mãos lhe morre.
Nesta questão houve um responsável dos Salesianos que espalhou mentiras repugnantes e difamações aberrantes para atacar a Fretilin, a honra de todos os seus militantes e seguidores e dar a ideia de que os Timorenses são uns selvagens bárbaros que não olham a meios para alcançar os seus fins.
Houve – e continua a haver - medias que foram e estão a ser o instrumento para a difusão dessas mentiras e difamações.
E há instituições que estão ou activamente (governo) ou passivamente (PR, PN, UNMIT, igreja) a colaborar nesta farsa que me parece ter o objectivo de mostrar ao mundo que TL é já um Estado falhado a precisar de ser tutelado.
E penso que se deve de imediato atalhar esta deriva anti-soberania e independência nacional e responsabilizar não apenas o autor da invenção, como os seus difusores e branqueadores.
Todos sabemos o papel que supostas “violações em massa” tiveram na preparação da opinião pública para a justificação de operações bélicas e de ingerências na soberania de nações (lembram-se da Bósnia?) e também todos nos lembramos que o ICG tem sede em Washington, delegação em Bruxelas, anda sempre de braço dado com o Vaticano e é presidido pelo Gareth Evans, o ex-MNE Australiano que fez a negociata da Austrália com a Indonésia sobre o petróleo do Mar de Timor à revelia da lei internacional.