"Defendendo a Independencia de Timor-Leste"

"Defendendo a Independencia de Timor-Leste"

terça-feira, 5 de junho de 2007

Media Release - FRETILIN demands a halt to inflammatory language

FRENTE REVOLUCIONÁRIA DO TIMOR-LESTE INDEPENDENTE
FRETILIN


Media release

5 June 2007

FRETILIN demands a halt to inflammatory language

FRETILIN, the largest political party in Timor-Leste, today demanded
that the National Congress of Timorese Reconstruction (CNRT) stop
using inflammatory language and behaviour in campaigning for the 30
June parliamentary election.

The party rejected allegations by CNRT and the President of the
Republic Jose Ramos Horta that it was connected to the shooting death
of Afonso "Kudalai" Guterres and another CNRT supporter on Sunday 3
June in Viqueque district east of Dili.

Arsenio Bano, a member of Fretilin's central committee and national
political commission, said the use of inflammatory language by CNRT in
a written statement yesterday (4 June) undermined the judicial process
and the development of the rule of law in Timor-Leste.

"CNRT's accusations are completely baseless and defamatory and breach
the electoral law and the election code of conduct signed by all
political parties only last week," Bano said.

"We understand that people are upset by the death of Mr Guterres and
we extend our condolences to the family of the deceased. The death of
any East Timorese is a serious matter. However, it is completely
irresponsible for a political party, in a democratic state based on
the rule of law, to call the alleged shooter a murderer without a
proper independent investigation and fair trial."

Bano said FRETILIN welcomed the decision to hold an investigation and
would support the judicial process in fairly applying the rule of law.

Bano said the investigation needed to answer many questions about the
incident.
Bano asked: "Were CNRT members carrying guns and, if so, who gave them
the weapons? Had any of the CNRT members been previously involved in
acts of violence and intimidation against people in Viqueque district?
Did the people involved in the shooting incident have a history of
personal conflict?"

"We also don't understand why people accompanying the CNRT party were
seen on national television yesterday armed with long rifles in
Viqueque district. Are they civil police? This needs to be
investigated or explained to the public so as to prevent the spread of
disinformation."

Bano said CNRT has used inflammatory behaviour since the start of the
election campaign. He cited the use of the FRETILIN flag during CNRT
rallies and direct personal attacks made against the FRETILIN
leadership.

"We have complained to the National Electoral Commission about the
misuse of our flag and we will consider defamation action against CNRT
for linking FRETILIN with the shooting death of Mr Guterres," Bano
said.

The President of FRETILIN Francisco Guterres Lu Olo also responded to
a written statement by the President of the Republic Jose Ramos Horta
issued soon after the CNRT statement yesterday.

"We call on the President to use more measured language when
commenting on these incidents.

"As the head of state, it is the President's role to be the guarantor
of national unity and independence and he has a duty to choose his
words carefully. The President should promote the resolution of this
issue through the proper legal channels.

"The use of similar irresponsible language last year by some of the
nation's leaders destabilised an already delicate situation and
incited violence."

For more information, please contact Arsenio Bano on (+670) 733 9416 (Dili)

1 comentário:

Margarida disse...

Tradução:
Comunicado de Imprensa

5 Junho 2007

A FRETILIN pede que pare a linguagem inflamatória

A FRETILIN, o maior partido político em Timor-Leste, pediu hoje que o Congresso Nacional de Reconstrução Timorense (CNRT) pare de usar linguagem e comportamento inflamatório na campanha para as eleições parlamentares em 30 de Junho.

O partido rejeitou alegações do CNRT e do Presidente da
República José Ramos Horta que esteve ligado à morte a tiro de Afonso "Kudalai" Guterres e de um outro apoiante do CNRT no Domingo 3 de Junho no distrito de Viqueque a leste de Dili.

Arsénio Bano, membro do comité central da Fretilin e da sua comissão política nacional, disse que o uso de linguagem inflamatória pelo CNRT numa declaração escrita ontem (4 Junho) mina o processo judicial e o desenvolvimento da aplicação da lei em Timor-Leste.

"As acusações do CNRT não têm nenhum fundamento, são difamatórias e quebram a lei eleitoral e o código de conduta assinado por todos os partidos políticos apenas na semana passada," disse Bano.

"Compreendemos que o povo está preocupado pela morte do Sr Guterres e enviamos as nossas condolências à família do falecido. A morte de qualquer Timorense é um assunto sério. Contudo, é completamente irresponsável para um partido político, num Estado democrático baseado no domínio da lei, chamar assassino a um alegado atirador sem ter havido uma investigação adequada e independente e um julgamento justo."

Bano disse que a FRETILIN saúda a decisão de se fazer uma investigação e apoiará o processo judicial na aplicação correcta do domínio da lei.

Bano disse que a investigação precisa de responder a muitas questões acerca do incidente.

Bano perguntou: "Carregavam armas os membros da CNRT e se sim, quem é que lhes deu as armas? Esteve algum dos membros do CNRT anteriormente envolvido em actos de violência e de intimidação contra pessoas no distrito de Viqueque?
As pessoas que estiveram envolvidas no incidente dos tiros têm histórias de conflitos pessoais?"

"Não entendemos também porque é que pessoas que acompanhavam o CNRT foram vistas ontem na televisão nacional armadas com espingardas de cano comprido no distrito de Viqueque. São polícias civis? Isto precisa de ser
investigado ou explicado ao povo de modo a prevenir o espalhar da
desinformação."

Bano disse que o CNRT tem usado linguagem inflamatória desde o início da campanha eleitoral. Citou o uso da bandeira da FRETILIN nos comícios do CNRT e ataques pessoais directos feitos contra a liderança da FRETILIN.

"Queixámo-nos à Comissão Nacional Eleitoral do abuso da nossa bandeira e consideraremos meter uma acção por difamação contra o CNRTpor ligar a FRETILIN com a morte a tiro do Sr Guterres," disse Bano.

O Presidente da FRETILIN Francisco Guterres Lu Olo respondeu também à declaração escrita pelo Presidente da República José Ramos Horta emitida logo depois da declaração do CNRT ontem.

"Pedimos ao Presidente para usar linguagem mais medida quando comentar estes incidentes.

"Como chefe do Estado, é obrigação do Presidente ser garantia da unidade e da independência nacional e ele tem a obrigação de escolher as palavras com cuidado. O Presidente deve promover a resolução desta questão através dos canais legais adequados.

"O uso irresponsável de linguagem similar no ano passado por alguns dos líderes da nação desestabilizou uma já delicada situação e incitou à violência."

Para mais informações, por favor contacte Arsénio Bano no (+670) 733 9416 (Dili)